Ideia criada numa pequena conversa com os meus alunos, ao sabor de um amor entre 7 Luas e 7 Sóis, desaguada num desfile de amores impossíveis, paixões loucas, seduções inquietas, mergulhadas num oceano de uma língua sem fronteiras…
Domingo, 4 de Janeiro de 2009
Martz Inura

 

O amor, queira alguém o descrever
Que sempre lhe há de ficar aquém.
Se diga fogo, lume, dor ou prazer
Que a descrição ficará por fazer,
Tal a grandeza e sentido que tem!
Em si condensa tanto querer bem
Que um coração não dá para o conter.
Experimente falar dele alguém,
Que infinito ele estará sempre além
De tudo aquilo que possa dizer!
Exultação de uma dor tão sofrida
Que não pode ser por nós apagada,
A queiramos ter em nós esbatida
Que sempre doerá como ferida,
E nos queima mesmo sendo gelada!
 
Com que palavras, amor, te direi,
Que discurso usarei em meu favor
Para, desse teu jeito encantador,
Dizer claramente o que nunca ousei?!
Que claros argumentos usarei,
Que modelo empregarei, sedutor,
Para, num hino sublime ao amor,
Dizer quanto te amo e amarei?!
Jorrem belas palavras pelo chão,
Fervam no coração, ardam na mente,
Que p`ra mim não haverá, certamente,
– Socorrendo-se apenas da razão –
Maneira clara, por mais que eloquente,
De te traduzir tão grande emoção!...
 
Há linhas do teu corpo nas paisagens,
Risadas tuas, a ecoar nos montes:
Até as nuvens me trazem mensagens
Pintando-te de beleza aos horizontes!
Queiras tu, pores-te de mim bem longe
Que no coração te descubro perto.
Aparta-me do mundo: seja monge,
Que o teu fulgor me cercará, por certo!
Cada manhã és tu que ma amanheces
E chegada a noite, por mais que escura,
Não é ela, mas tu que ma anoiteces!
És em mim vastidão – todo o lugar:
Os próprios rios, cheios de frescura,
Em ti nascem, e a ti vão desaguar!...
 
Esse beijo profundo que me deste,
Tão húmido, tão profundo, tão quente,
Ainda não sei bem como o fizeste
Para o sentir assim, tão docemente!
Tirado à doce paixão dum momento,
Os teus lábios sobre os meus se afundaram
E os meus olhos sem querer se fecharam:
Cegos por um doce deslumbramento!
Um tal gozo de dar e receber,
Qual louco desejo desesperado,
Possa haver um outro maior prazer,
Que produziu em mim tão doce efeito,
Que mesmo ainda hoje ao ser lembrado
Me queima a boca, me arde no peito!...
 
A Rua Augusta está cheia de gente,
Numa cidade irrompida animada,
Mas possa ela ter encanto de fada,
Que está deserta, ao estares ausente!
E já no Rossio, junto às floristas,
Eu tento colher-te no meu olhar,
Mas a crianças e pombos vou dar,
Mesmo à frente dum grupo de turistas.
Por detrás de um trânsito infernal,
Com alguém no passeio te confundo,
Mas vendo o erro volto ao normal.
Valho a um pedinte, no chão imundo,
E já num café, nem leio o jornal:
Fico dormente a contemplar o mundo!...
 
Sinfonia nº 2


publicado por LCC às 16:08
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Inês a 4 de Janeiro de 2009 às 19:40
Mais um texto que não conhecia.
Numa cadência quase musical
Não conheço, mas de facto parece uma sinfonia.
Obrigado por mais esta partilha tão.....
Profunda e sentida





De LCC a 6 de Janeiro de 2009 às 18:03
Obrigado Inês pela tua visita e pelo teu comentário, tentarei trazer outras sinfonias para te dar prazer na leitura

beijo


Comentar post

mais sobre mim
Março 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

António Ramos Rosa

Maria Judite de Carvalho

Manuel Alegre

José Cardoso Pires

Eça Queiroz

José Saramago

Sophia de Mello Breyner A...

José Saramago

Martz Inura

Feliz Natal

José Saramago

Almeida Garrett

Florbela Espanca

Boas férias

Alexandre O’Neill

Carlos Drummond de Andrad...

Pedro Homem de Mello

Mário de Sá Carneiro

Florbela Espanca

Fernando Pessoa

João Aguiar

Eugénia Tabosa

Irene Lisboa

José de Almada Negreiros

José Ilídio Torres

Bocage

Eça de Queirós / Ramalho ...

Florbela Espanca

Eça de Queirós

Eça de Queirós

José de Almada Negreiros

Urbano Tavares Rodrigues

Almeida Garrett

Bocage

Inês Pedrosa

Natália Correia

Eça de Queirós

José Saramago

Luís de Sttau Monteiro

Vinicíus de Moraes

Vergílio Ferreira

António Lobo Antunes

Aquilino Ribeiro

José Saramago

Rodrigo Guedes de Carvalh...

Machado de Assis

José Saramago

Vergílio Ferreira

José Carlos Ary dos Santo...

António Gedeão

mais comentados
4 comentários
4 comentários
3 comentários
2 comentários
2 comentários
últ. comentários
Donzelas do ApocalipseSem pai, sem mãe, Sem leite ...
Mais uma vez o meu obrigado pela tua visita Inês, ...
Foi com o Evangelho que fiquei presa à escrita de ...
Obrigado Inês pela tua visita e pelo teu comentári...
Mais um texto que não conhecia.Numa cadência quase...
links
tags

todas as tags